UFSC funciona em horário especial nos jogos do Brasil na Copa

18/06/2018 14:50

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) funcionará em horários especiais nos dias em que o Brasil for disputar partidas de futebol na Copa do Mundo Fifa 2018. Segundo a portaria publicada no Diário Oficial da União no último 4 de junho, será flexibilizado o horário de expediente dos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional.

Em caráter excepcional, nos dias de jogos da Seleção Brasileira na Copa do Mundo, o expediente terá início a partir das 14h, nos dias em que os jogos se realizarem pela manhã, e se encerrará às 13h, nos dias em que os jogos se realizarem à tarde.

O arquivo com a íntegra da portaria está disponível aqui.

Comunicado da UFSC sobre ‘Bônus Regional’ para o curso de Medicina em Araranguá

18/06/2018 14:48

A Administração Central da UFSC comunica que foi oficialmente notificada, em 1º de junho de 2018, quanto à decisão, em caráter liminar, no sentido da não aplicação de “Bônus Regional” aos candidatos ao Vestibular para o Curso de Medicina da UFSC em Araranguá.

Reiteramos que estão sendo adotadas todas as medidas judiciais cabíveis a fim de apresentar os devidos recursos, garantindo a política de inclusão e em nome da plena Autonomia da Universidade.

Informamos, também, que está rigorosamente mantido o cronograma do Concurso Vestibular UFSC/2018 – 2, com a realização das provas nos dias 7, 8 e 9 de julho de 2018, conforme o edital.

Administração Central da Universidade Federal de Santa Catarina

Câmara de Graduação da UFSC debate Vestibular e SiSU 2019

18/06/2018 14:44

Membros da comissão que analisou dados do Vestibular e SiSU apresentam relatório com sugestões para o próximo concurso. Foto: Jair Quint/Agecom/UFSC

A Câmara de Ensino de Graduação da Universidade Federal de Santa Catarina (CGrad/UFSC) assistiu, na última quarta-feira, 13 de junho, à apresentação do relatório da Comissão nomeada em 2017 para analisar e propor alterações no sistema de provas e no processo de seleção do Vestibular da UFSC. Participaram da sessão, além dos membros tradicionais da CGrad, os coordenadores dos cursos de graduação.

A Comissão analisou dados do Vestibular 2018, os impactos da implantação de pesos e pontos de corte diferenciados por curso, além dos números relativos às matrículas e desempenho dos calouros. Para o próximo Vestibular, a Comissão propõe manter a atual estrutura do concurso, inclusive a política de pesos e notas de corte diferenciadas por curso e por disciplina; manter também a atual porcentagem de vagas selecionadas pelo SiSU (30%) e Vestibular UFSC (70%); e a continuidade dos estudos sobre o ingresso na UFSC, com uma comissão que trabalhe com mais tempo para que possa sugerir mudanças maiores.

 

A Câmara de Graduação reuniu-se na última quarta-feira, 13, com a presença dos Coordenadores de Curso da Universidade para avaliar como será o próximo processo seletivo da instituição. Foto: Jair Quint/Agecom/UFSC

O relatório da Comissão foi apresentado pela presidente da Comissão Permanente do Vestibular (Coperve), Maria Luiza Ferraro, e pelos membros Rafael Luiz Cancian (CTC), Olinto José Varela Furtado (Coperve), César Trindade Neves (DAE). O pró-reitor de Graduação, Alexandre Marino Costa conduziu o debate entre a Comissão e os presentes.

“A seleção pelo Vestibular e SiSU é significativa para todos os cursos de graduação da Universidade. Por isso, a importância que os cursos subsidiem o que estamos propondo. E a nossa proposta hoje é de continuidade”, salientou Maria Luiza no início de sua apresentação. O preenchimento e ocupação das vagas, as notas dos alunos e porcentagem de eliminação, bem como o desempenho acadêmico dos ingressantes foram alguns dos dados apresentados.

 

Após análise da composição e a estrutura atual do Vestibular da UFSC, a Comissão sugeriu que fossem mantidas, uma vez que estão de acordo com os objetivos do processo seletivo, com a Base Nacional Comum Curricular do Ensino Médio. A distribuição de questões, especialmente de Ciências Humanas e Sociais (englobando Geografia, História, Filosofia e Sociologia), adotada no último Vestibular teve boa receptividade e deverá continuar. A Comissão discutiu também a possibilidade de realizar o Vestibular em duas etapas, sendo uma primeira apenas com questões objetivas e uma segunda composta por redação e questões discursivas, porém decidiu manter a estrutura atual com uma única etapa após avaliar as vantagens e limitações de um novo modelo.

A maior parte do debate foi concentrada no aumento do número de reprovações nas provas e no desempenho dos alunos ingressantes. Apesar de ter havido mais reprovações no Vestibular 2018, a Comissão não atribui esse aumento às alterações nas notas de corte, novidade implementada no último concurso. Segundo o relatório, a maioria das reprovações ocorreu nas provas objetivas de Língua Portuguesa e nas questões discursivas, cujas notas de corte foram as mesmas que as praticadas em vestibulares anteriores. Em cursos nos quais houve eliminação significativa devido às notas de corte (como Ciências da Computação e nas Engenharias) observou-se que apesar de maior reprovação, a grande maioria dos cursos preencheu as vagas oferecidas e manteve uma lista de espera avaliada como suficiente para suprir eventuais desistências dos classificados em primeira chamada.

O professor Rafael Cancian, membro da Comissão, ressaltou que o uso de ferramentas computacionais auxiliaram o curso de Ciências da Computação na decisão a respeito das notas de corte e disponibilizou aos demais cursos um auxílio no sentido de analisar resultados e avaliar pesos e notas de corte diferenciados para o Vestibular 2019. Cancian sugeriu que os cursos que não estejam à vontade para estipular notas de corte pensem em colocar pesos diferenciados para as disciplinas, uma vez que os pesos não eliminam os candidatos, apenas os classificam de acordo com seus acertos.

Outro debate significativo ocorreu a respeito do sistema de múltiplas chamadas para o preenchimento das vagas de graduação. Muitos professores se manifestaram, apontando que os alunos que ingressam após o início do semestre ficam em desvantagem se comparados aos demais alunos, com notas baixas no primeiro semestre. Em seu relatório, a Comissão sugere que sejam analisadas formas para reduzir e otimizar a quantidade de chamadas (lista de espera) nos dois processos (Vestibular e SiSU). Escreve: “a grande quantidade de chamadas para preenchimento das vagas onera o processo e o torna lento, levando ao ingresso de alunos mesmo após várias semanas depois de iniciado o período letivo, o que pode causar prejuízo pedagógico aos ingressantes. Idealmente a matrícula dos calouros deveria estar concluída antes do início do período letivo”.

Além disso, nos cursos que aplicam a prova de Pré-Cálculo, tem-se observado altas taxas de reprovação. O professor Leandro Becker, do curso de Engenharia de Controle e Automação, apontou que cerca de 65% dos calouros não conseguem pontuação suficiente para passar na prova de Pré-Cálculo no curso, errando, inclusive questões que são de nível de ensino fundamental. “É um problema sério. São alunos que não estão mais acostumados a estudar da forma clássica. A matemática demanda prática, eles precisam estudar cálculo praticando, fazendo exercícios, e muitos estão acostumados a estudar de outra forma e não conseguem passar. Isso afeta muito a motivação deles, e temos feito um trabalho intenso de tutoria e conversas individuais para resgatar esses alunos”, destaca Becker.

Além do desempenho escolar dos ingressantes, a Câmara de Graduação também levantou questões sobre permanência estudantil e condições dos alunos fora das salas de aula. Sobre o SiSU, a Comissão sugere que se mantenha o percentual de 30% pelo menos até o Vestibular 2019, e propõe que, após o próximo concurso a flexibilização desses percentuais ocorra de forma diferenciada por curso.

Prazo

Os Coordenadores de Curso têm até 20 de junho para responder à Câmara de Graduação a respeito dos pesos e notas de corte para o Vestibular 2019. As alterações serão votadas pela Câmara na próxima sessão, marcada para 4 de julho, data em que é esperada que saia a Resolução Normativa que regerá o próximo Vestibular da UFSC.

Mayra Cajueiro Warren/jornalista da Agecom/UFSC

Pesquisa sobre perfil do universitário: alunos da UFSC devem responder questionário da Andifes

18/06/2018 14:41

Conhecer a realidade dos estudantes das Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes) em todo o Brasil para viabilizar políticas de assistência estudantil, é o objetivo da V Pesquisa Nacional do Perfil do Graduando 2018, que está sendo realizada pelo Fórum de Pró-Reitores de Assuntos Estudantis (Fonaprace) da Associação Nacional dos Dirigentes das Ifes (Andifes).

Todos os alunos de graduação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) com vínculo em cursos presenciais, inclusive os calouros de 2018, devem preencher o questionário, que estará disponível à comunidade estudantil até junho de 2018. O levantamento é realizado por meio de um formulário online e para preenchê-lo o aluno deve inserir seu número de CPF e selecionar a UFSC entre as instituições cadastradas.

O pró-reitor de Assistência Estudantil (Prae) da UFSC, Pedro Manique Barreto, explica que atualmente são 28.902 estudantes que compõem o universo da pesquisa e que, após o período de matrículas, cerca de 6 mil estudantes serão beneficiados com a Assistência Estudantil. Todos os estudantes beneficiados têm isenção no pagamento da taxa dos Restaurantes Universitários (RUs), em todos os campi da UFSC.

“A pesquisa, que tem sido realizada de quatro em quatro anos, tem como objetivo revelar o perfil socioeconômico dos discentes. Irá criar subsídios para a construção políticas públicas. Seus dados revelarão a constituição do corpo discente e ajudará muito na implementação de programas de assistência estudantil”, aponta o pró-reitor. “A pesquisa e o engajamento estudantil na participação é fundamental para, ao se ter o diagnóstico do perfil socioeconômico do estudante brasileiro, se possa planejar políticas públicas em defesa da Universidade pública, gratuita, de qualidade e, fundamentalmente, inclusiva”, aponta.

O levantamento é realizado pelo Fonaprace desde 1996. Os resultados da última edição da pesquisa, realizada em 2014, estão disponíveis no site da Andifes.

Participe!

Para participar, basta acessar ser graduando de cursos presenciais, acessar o site e preencher o formulário. O questionário também está disponível em https://cagr.sistemas.ufsc.br/modules/aluno/.

UFSC divulga 3ª chamada do Vestibular 2018 para Educação do Campo

11/06/2018 13:30

O Departamento de Administração Escolar (DAE) divulga edital nº 16  referente a 3ª chamada do Vestibular UFSC 2018 para o Curso Educação do Campo – Licenciatura, e convoca os candidatos habilitados para as vagas remanescentes a realizarem matrícula inicial nos dias 14 e 15 de junho de 2018, munidos da documentação exigida e publicada pela Portaria nº 08/PROGRAD/SAAD/UFSC/2018, junto à respectiva Coordenadoria do Curso, localizada no Campus Florianópolis, no horário das 8h30 às 12h e das 14h às 18h.

UFSC divulga 8ª chamada do Vestibular 2018 e 6ª do SiSU

11/06/2018 13:29

O Departamento de Administração Escolar (DAE) da UFSC publicou os editais nº 14 e 15, referentes, respectivamente à 8ª Chamada do Vestibular UFSC 2018 e à 6ª Chamada do Sistema de Seleção Unificada (SiSU-UFSC) e convoca os candidatos classificados para realizarem matrícula online, no período de 5 a 11 de junho de 2018, e presencial, de 14 a 15 de junho de 2018.

Matrículas


Edital nº 14 — 8ª chamada do Vestibular UFSC 2018

Online, em http://simig.sistemas.ufsc.br, de 5 a 11/06/2018.

Presencial, e 14 a 15/06/2018, junto à respectiva coordenadoria do curso localizada no campus em que irão frequentar as aulas, no horário de funcionamento da mesma, munidos da documentação exigida.

Edital nº 15 — 6ª chamada SISU-UFSC 2018

Online, em http://simig.sistemas.ufsc.br, no período de 5 a 11/06/2018.

Presencial, de 14 a 15/06/2018, junto à respectiva coordenadoria do curso localizada no Campus em que irão frequentar as aulas, no horário de funcionamento da mesma, munidos da documentação exigida.

validação das autodeclarações dos candidatos cotistas deverá ser realizada conforme cronograma disponível no site saad.ufsc.br

Mais informações no site dae.ufsc.br.

Audiência Pública debate Ciência, Tecnologia e Inovação em Santa Catarina

08/06/2018 17:06

Para discutir de forma ampla, democrática e suprapartidária, a Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) como Política de Estado em Santa Catarina, será realizada Audiência Pública no dia 20 de junho (quarta-feira), às 9h, no Plenarinho da Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina (Alesc). Estão confirmadas as participações dos presidentes da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Academia Brasileira de Ciências (ABC) e Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc), respectivamente, Ildeu de Castro Moreira, Luiz Davidovich e Sérgio Gargioni.

Em 2017, a Secretaria Regional da SBPC em Santa Catarina deu início a uma articulação envolvendo diferentes setores ligados à ciência no estado, no intuito de buscar saídas para a crise sem precedentes que atinge os sistemas brasileiro e catarinense de CT&I. Acompanhando um movimento nacional que vem sendo liderado pela SBPC e pela ABC, a Secretaria abriu canais de diálogo junto aos poderes executivo e legislativo e, paralelamente, começou uma série de reuniões abertas na capital e no interior, que congrega as principais instituições de ensino e pesquisa de cada região, além de outras organizações representativas da sociedade catarinense.

O objetivo não se restringe a discutir a crise. Santa Catarina, por suas características sociais, geográficas e econômicas, precisa assumir um papel de liderança também no desenvolvimento científico do país. É necessário unir forças com outras organizações, propor uma política de estado arrojada, transparente e permanente de fomento à pesquisa, tanto básica quanto aplicada, em todas as áreas do conhecimento.

As principais preocupações e demandas serão registradas em documento e todos os presentes da Audiência serão convidados a assiná-lo e, posteriormente, apresentá-lo aos futuros candidatos ao governo do estado, bem como aos candidatos da esfera legislativa.

Mais informações: (48) 3721-5153 / e-mail 

O projeto ‘Longe de Casa: e agora?’ oferece novas vagas para junho

08/06/2018 17:05

O Serviço de Psicologia Educacional abre novas vagas para o projeto “Longe de Casa: e agora?”, serviço de apoio psicológico aos estudantes de graduação das primeiras fases que vêm de fora da região de Florianópolis. Os encontros ocorrem em grupos ao longo do mês de junho.

O projeto conta com dinâmicas participativas sob a temática da ambientação do estudante à universidade, à Florianópolis e a formação de novas redes de apoio. Os grupos se reunirão nos dias 12, 19 e 26 de junho, nas terças-feiras, das 10h às 12h no Serviço de Psicologia da Coordenadoria de Assistência Estudantil (CoAEs/PRAE), localizado no térreo da Reitoria 1.

As inscrições podem ser feitas por formulário eletrônico.

Mais informações: 

Encontro de gerações marca 40 anos da Engenharia Sanitária e Ambiental da UFSC

08/06/2018 17:03

CTC comemora 40 anos da Engenharia Sanitária e Ambiental. Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC

Na noite de 5 de junho de 2018, em que o curso de graduação da Engenharia Sanitária e Ambiental da UFSC comemorou 40 anos, um momento simbólico quebrou o protocolo no Auditório “Teixeirão”, no Centro Tecnológico (CTC). Dois personagens, o professor aposentado Afonso Veiga Filho e o ex-aluno Pedro Alarcon, relembraram a uma plateia composta por várias gerações os desafios enfrentados para se implantar um novo curso na Universidade e de como a participação, ativa e diária, no Centro Acadêmico fez toda a diferença na busca da melhoria constante.

Este significativo encontro de gerações aproximou muitas das pessoas envolvidas neste contínuo processo de valorização da profissão e da UFSC. A mesa de autoridades estava composta pelo pró-reitor de pesquisa Sebastião Roberto Soares, que representou o reitor Ubaldo Cesar Balthazar, diretor do CTC Edson de Pieri, vice-diretor Sergio Peters, chefe do Departamento Paulo Belli Filho, coordenador do curso de graduação Pablo heleno Sezerino, coordenadora do Programa de Pós-Graduação Maria Eliza Nagel Hassemer, 1ª vice-presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Santa Catarina (CREA-SC) Roberta Mass, presidente da Associação Catarinense de Engenheiros Sanitaristas e Ambientais (Acesa) Thaiana Elpídio Cardoso e o presidente do Centro Acadêmico Livre de Engenharia Sanitária e Ambiental (Calesa) Francisco Machado.

Na plateia grandes nomes: os docentes Flávio Rubens Lapolli, (primeiro coordenador – 1978) e Rejane Helena Ribeiro da Costa (“a professora de todos”) receberam uma lembrança especial por estarem presentes no curso desde a sua criação até os dias de hoje. Também foram homenageados Edis Mafra Lapolli (segunda coordenadora – 1979), os professores que estão aposentados Afonso Veiga Filho, Alberto Odon May, César Augusto Pompêo, Daniel José da Silva, Fernando Soares Sant’Anna, Guilherme Farias Cunha, Henrique de Melo Lisboa, José Carlos Silveira de Oliveira, Luiz Sérgio Phillippi, Márcio Renato Francalacci e Péricles Alves Medeiros. E os técnicos-administrativos aposentados Alécio Alcúcio Gouvêa, Anildo Corrêa Agostinho, João Renato Stelau e Joaquim Furtado.

O professor Pablo, que coordena atualmente o curso, introduziu os discursos. Primeiramente, falou da contribuição dos colegas e mestres aposentados para o sucesso do curso, que está “40 anos ensinando e transformando jovens em profissionais de gabarito para trabalhar neste país as questões ambientais e de saneamento”. Para ele, o momento é “singelo e intimista”, e “lembra a grandeza que este curso tem perante a sociedade catarinense e a brasileira, e a sua importância para a instituição”. Citou as pessoas que se esforçaram e se dedicaram para a realização da homenagem que busca a reflexão e de autovalorização do curso e do engenheiro sanitarista e ambiental. Confirmou o objetivo da cerimônia “lembrar-se dos acontecimentos e das pessoas que fizeram e fazem deste curso referência”. E diante da oportunidade que teve de trabalhar nesta área no interior do estado e em outras regiões do Brasil, fez referência à recepção ao profissional formado na UFSC, destacando que o diploma e a instituição são muito valorizados.

Na sequência a apresentação do chefe de Departamento, Paulo Belli, que também tem uma relação muito próxima com o curso, pois além de ser professor, foi aluno da primeira turma de Engenharia Sanitária em 1978. Enfatizou que a comemoração não poderia ser em melhor data, senão neste Dia Mundial do Meio Ambiente. E o que lhe comoveu ainda mais foi poder compartilhar a emoção de se completar 40 anos da ENS ao lado de amigos e professores. Comemorou que “o curso está entre os melhores do país; já formou mais de 1.200 engenheiros sanitaristas e ambientais, conceitos “5” na graduação e “6” pela Capes na pós-graduação”. Explicou que na mesma época em que se criou o curso em Santa Catarina, outros estados investiram e acreditaram na necessidade de o país formar um profissional diferenciado para tratar de questões sanitárias, ainda hoje muito evidentes.

Belli contextualizou que “as federais de Mato Grosso, Pará e Bahia também foram contempladas no mesmo período com o curso, implantados estrategicamente de uma forma regionalizada”. Com a implantação da Engenharia Sanitária veio as adaptações, os novos marcos de referências, e com a evolução do curso a palavra ambiental foi acrescida ao nome. Isto se deve a um dinamismo natural que “mostra a capacidade de inovação e de envolvimento da instituição”. Destacou que com as novas orientações legais e por estar intimamente ligada a temas do cotidiano e das necessidades da nação, a ENS “forma profissionais cidadãos”. Essa frase demonstra a identidade do curso, pois trata de questões sociais com relação às atividades urbanas, rurais e industriais. Diz com orgulho que a formação da UFSC é um diferencial no Brasil e outros cursos se espelham nela, e também por manter uma parceria e engajamento com o CREA-SC.

Segundo a coordenadora do mestrado e doutorado em Engenharia Ambiental, Maria Eliza Nagel Hassemer, que foi aluna da segunda turma do curso, “a criação da pós-graduação se deu em função da qualidade do curso. Em dezembro de 2017 fomos agraciados com a nota “6” e alcançar este conceito de excelência é mérito de todo o quadro de alunos e professores”, e do desenvolvimento das pesquisas. Considera que a nota traz uma grande responsabilidade e o departamento trabalha para mantê-la ou chegar ao almejado 7.

O estudante e representante do Centro Acadêmico, Francisco Machado, falou do amadurecimento pessoal e do sentimento de pertencimento, adquiridos nesses dois primeiros anos na UFSC. O que lhe ajudou foram os desafios do aprendizado na engenharia e a convivência com os colegas, agora amigos para o resto da vida. Saudou os 38 anos do Centro Acadêmico, os 7 da Atlética, os 10 do Neamb – Núcleo de Educação Ambiental – e os 25 da Empresa Júnior – Ejesam, “pois o nosso curso é, acima de tudo, formado por pessoas, representadas aqui em minha fala e que juntas foram responsáveis por esta grandiosa história de 40 anos”.

Para o diretor do Centro, Edson de Pieri, “40 aos é uma idade marcante e o importante nesta comemoração é relembrar o pioneirismo e o momento atual”. Para ele, “criar um curso em 1978, em uma universidade ainda muito nova, dentro das dificuldades econômicas e ainda tendo que convencer as pessoas da necessidade da profissão não deve ser algo fácil. É preciso ter visão de futuro e muito desprendimento. E foi isso que muitos dos que estão aqui fizeram, o alicerce de um curso reconhecido nacionalmente e com contatos internacionais sólidos; sedimentaram este caminho para que hoje se tenha um curso de excelência na graduação e na pós-graduação. E o desafio está em manter a qualidade e fazer a gestão de um curso deste nível”. O futuro é muito promissor, porém exige sempre muita luta, finalizou.

 

Rosiani Bion de Almeida/Agecom/UFSC

Fotos: Henrique Almeida/Agecom/UFSC

Final do semestre letivo é transferido para dia 6 de julho

08/06/2018 17:00

Em função da suspensão das atividades letivas no período de 28 a 30 de maio de 2018, em decorrência da greve dos caminhoneiros, o Conselho Universitário (CUn) deliberou pela alteração da data de término do semestre letivo 2018/01. Inicialmente previsto para o dia 4 de julho, a data de término do semestre foi transferida para o dia 6 de julho, sexta-feira.

O parecer aprovado pelo CUn está disponível aqui.